Papo de Taverna

papo-de-taverna

Morg: “Tu vai pras Terras Altas daqui?”
Dhagur: “Vô.”
Morg: “Irado. Ouvi umas canções.”
Dhagur: “Irado mesmo.”
Uler: “Você vai pro Porto das Safiras? Dizem que o lá governa o caos.”
Ancren: “Se é caos ninguém governa né, mané.”
Dhagur: “Porto das Safiras é na costa. E nem fodendo, não quero morrer.”
Morg: “Dhagur prefere ir para a Ilha do Inverno Eterno.”
Rud: “Velho, 90 moedas de ouro por estação durante um ano em Porto das Safiras, mas não pode sair da região nesse 1 ano.”
Morg: “Ha ha ha”
Rud: “E pode guardar as moedas com segurança, ou, ou, ou…”
Morg: “Lá vamos nós.”
Rud: “6 moedas de ouro por estação na Cidade Imperial. Também não pode sair da cidade.”
Ancren: “Ha ha ha ha ha.”
Morg: (Ergue os dois dedos, em referência ao sinal do Império)
Rud: “E não pode guardar as moedas na Cidade Imperial.”
Morg: “Pode ser vassalo de um lorde?”
Ancren: “Eu acho que ia me amarrar em Porto das Safiras.”
Rud: “Pode em Porto das Safiras. Ha ha ha. Na Cidade Imperial vale filantropia. Mas pode se tornar pupilo de alguém e tal. Trabalho não remunerado.”
Ancren: “Acho Porto das Safiras mó massa.”
Morg: “(Sinal imperial) ainda.”
Ancren: “Bom Conde Virm O Empalador para você.”
Rud: “Morg, você tá trocando 360 moedas de ouro por 24 moedas de ouro.”
Morg: “Bom enforcamento arbitrário para você.”
Rud: “E se eu aumentar a sua renda em Porto das Safiras para 180 moedas de ouro por mês?”
Ancren: “Essa troca aí, se duvidar, ainda é vista como traição ao trono imperial.”
Rud: “Tenho uma proposta melhor, Morg.”
Ancren: “Como assim não quer dinheiro, é monge renunciante?”
Rud: “Eu subo a renda da estação de Porto das Safiras para 300 moedas de ouro por estação…”
Ancren: “Enforcamento arbitrário nada rapá, me dá um mês que eu to mandando na região.”
Rud: “…mas quando você chegar na cidade todo mundo será avisado da sua renda…”
Ancren: “HA HA HA HA HA.”
Rud: “… e todo mês um orador vai proclamar em praça pública quando suas moedas chegarem.”
Morg: “Ha ha ha ha ha ha ha.”
Ancren: “Pode contratar exército de mercenários?”
Morg: (Faz o sinal imperial)
Rud: “Mano, pode fazer o que quiser em Porto das Safiras, mas você não pode gastar com filantropia.”
Ancren: “300 moedas por estação eu contrato a Ordem da Água Negra e tá massa.”
Morg: “Mendigo filantropo na Baixada dos Porcos da Cidade Imperial.”
Rud: “Mano, você ia ter que viver em uma torre fortificada em Porto das Safiras.”
Ancren: “Ia nada mermão. Com essa grana aí, na Costa do Esqueleto, Porto das Safiras ia virar minha fortaleza.”
Rud: “Você ia ter mais grana que toda a região junta.”
Morg: “Ha ha ha.”
Ancren: “Contrato a cidade inteira.”
Rud: “Nortista que nem você? Sua caravana ia ser abatida.”
Ancren: “Ponho um dente de ouro, compro uma espada montante e só ando mascando tabaco.”
Morg: “Ha ha ha.”
Rud: “Ainda na Cidade Imperial Morg?”
Morg: (Faz três vezes o sinal imperial. Em seguida, tira um livro da algibeira com o título ‘Registros Anuais de Porto das Safiras’, abre uma página e põe na mesa)
Rud: “E se eu mudar a situação da Cidade Imperial para a Ilha do Inverno Eterno? O local preferido do Dhagur.”
Morg: “(Cruza as mãos com os punhos fechados, o sinal dos Guerreiros Invernais). Curte aí o histórico recente.”
Rud: “(Folheia o livro). HA HA HA HA HA.”
Morg: “É tipo um pátio de treinamento com espadas de verdade.”
Ancren: “Ah, parece um lugar pacato.”
Morg: “Vou pra Porto das Safiras com 5 mil milhares na algibeira. Em peças de ouro. Pode ser?”
Dhagur: “Você ia ser morto em tipo 1 giro de ampulheta.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *