Dinheiro, sexo e morte

dinheiro sexo e morte

“Meu amor, sabe no que eu estava pensando?”
“…”
“Eu preciso fazer alguma coisa para deixar minha marca.”
“Eu também penso nisso às vezes, baby.”
“Eu vou fazer isso acontecer. Não dá mais.”
“Que bom, baby. Mas no que você está pensando?”
“Não sei, amor, mas eu estive pensando em remontar o ateliê. Às vezes eu tenho uma inspiração e não tenho onde colocar. He-he-he.”
“Acho ótimo, baby, dou mó força.”
“A gente não pode viver essa vidinha assim pra sempre.”
“É verdade. Sabe, o pessoal da yoga tava querendo…”
“…”
“O quê?”
“Não disse nada.”
“Por que você tá me olhando com essa cara?”
“Que cara?”
“Essa.”
“Eu tô ouvindo, amor. Fala, o pessoal da yoga…”
“Deixa pra lá. Você estava falando do ateliê.”
“Sim. E agora vai ser pra valer. Vou pintar todos os dias. E se você está pensando em fazer alguma coisa desse tipo, eu também dou mó força. A gente tem que sair dessa vidinha.”
“É a segunda vez que você fala isso.”
“É porque tem que ser, amor.”
“…”

Todo desejo não realizado é fruto da impossibilidade física e fisiológica de sua existência. Toda ação humana é motivada pelo medo. Todo medo é motivado pela inexistência da matéria sólida.

“Bróder… não tem como.”
“Glup.”
“Tô falando sério. E não é pra te sacanear ou pra questionar seu talento. É que… não tem como.”
“Será que se eu colocasse…”
“Não, bróder. Não tem qualidade suficiente. Tu pode ou pintar pra vender, do tipo paisagem, flor, umas paradas assim, ou então… Aqui na galeria pra entrar tem que ter um certo… como eu diria… impacto, ou uma orientação artística específica, e o seu não é um nem outro.”
“Saquei.”
“Tenta outra abordagem, não que a sua seja ruim, mas que… Porra, olha os porfólios dos caras, vê se tem alguma ideia.”
“Saquei.”

Tudo é uma questão sexual. Menos o sexo.

“E a chefia, baby?”
“Não vai rolar.”
“Será que você podia apagar esse cigarro?”
“Não vai rolar a chefia porque eu não estou fazendo nada a respeito e todo mundo sabe disso.”
“Mas, baby, e… ”
“É melhor nos conformarmos. Eu preciso de mais tempo pra pintar e ponto.”
“Mas você fez uns quadros tão lindos, baby.”
“Não é o suficiente.”
“Mas, baby, e…”

Tudo o que todas as pessoas dizem ou já disseram são mentiras e desculpas.

“Porra escrota essa aí. É por isso que o mundo não vai pra frente. O homem médio não sabe diferenciar arte de cocô.”
“Podicrê. O único jeito é fazer arte só para você mesmo.”
“É o único jeito de fazer arte boa. O problema é que ninguém quer comprar.”
“Mas o esquema é que quando você coloca dinheiro no meio da arte, ela se denigre. Isso que é foda. O dinheiro fode tudo.”
“…”
“Mas aí, e Praga, vai rolar?”
“Vai, só tenho que ver com a Cris a data certa que ela sai de férias daí a gente já agiliza as passagens.”
“Podicrê. Vai ser TOP, doido.”
“Vai.”
“Tem altos museus e galerias irados lá. Pra tu vai ser bom.”
“Porra de museu e galeria. Eu quero é beber cerveja, comer salsicha na rua e ver essa ponte que todo mundo fala.”
“Podicrê.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *