Sobre a Solidão

solidao

Fantasma que habita o ser abaixo do meu ser

Sinto-me tão sozinho que nem humano me sinto

Que as peles que me tocam são feitas de vento

Que as palavras que falo são feitas de chumbo

Impenetráveis e as últimas

Até a mulher que habita meus sonhos desde que aprendi a sonhar acordado

Precisa ser poupada do que descobri ser real

Uma solidão que nunca passará

Uma solidão que nunca será entendida

Fantasma que habita o ser abaixo do meu ser

Não vá você também embora

Permita-me manter minhas palavras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *