Após mais de um milênio de reinado, o soberano está morto. A força que unia seus domínios, as Terras da Lei, se foi. O centro de seu reino, a cidade de Atablan, convulsiona-se em disputas de poder, medo e traições. Um silêncio opressivo paira no ar e nos corações, rastros negros deixados pela morte do Rei Amet. Há desespero e incerteza, uma oportunidade para que aqueles sequiosos de poder dirijam seus olhares para a torre de Purcalat, a partir da qual o Rei Bestial expandiu e manteve seus domínios por mil e vinte e dois anos. O mundo clama por heróis, novos governantes que deem cabo ao caos perpetrado pela partida do Rei; mas onde encontrá-los?

Nesta aventura sangrenta, acompanhamos Bamir e Vakú em direção à conquista de Purcalat, à destruição do mundo que conheceram e de si mesmos. Bamir, o melhor matador entre os criminosos Cengasmut, encontra-se mais uma vez desamparado e sozinho no meio do turbilhão de traições, incertezas e meias verdades que rondam o silêncio opressivo de Atablan. Vakú, o doente e mentiroso Uremiték, cavalga rumo ao sul sob o comando de seu irmão e senhor Mosú; guiados pelo sangue, senhor e profecia, visam a reconquista das terras das quais seu povo foi exilado há um milênio, quando da ascensão do Rei Bestial ao trono. O destino dos dois protagonistas está ligado pela sede de conquista, pelo sangue, e, principalmente, pela misteriosa erva rildémos.

Disponível para Kindle.
Contos das Terras da Lei